25 maio 2016

A loucura patrocinada

postado por Cottage Regressiva

Nem tudo que parece, é

Acompanhei três yoturbers que gosto fazendo uma dieta super restritiva. Tudo foi devidamente registrado no famoso: diário da dieta. Coincidentemente (ou não) estavam frequentando a mesma clínica onde faziam as visitas periódicas às suas nutricionistas. Era forte ver cada uma resistindo aos doces, dizendo não para os carboidratos, para as bebidas alcoólicas, para as guloseimas de cada novo evento e lanchando sempre os mesmos coquinhos com água - de côco. Aliás, as noites regadas à sashimi (salmão em lascas) e os famosos cones - sem arroz, claro - também eram todas bem parecidas.

Fico pensando em quantas pessoas não se contorceram vendo tais vídeos, querendo ter a mesma disciplina - e o dinheiro para as tantas vezes de mercado com seus carrinhos recheados de produtos sensacionais para a dieta. Outra grande coincidência, era ver cada uma delas contabilizando no calendário quando seria o fim de seus cardápios detox e já planejando onde seriam suas "jacadas" homéricas para compensar todo "martírio" e "comemorar" os resultados.

Ao fim de três longas semanas - cheias de excelentes resultados conjugados com personal e academia - quem foi que saiu da dieta e conseguiu voltar? Hoje pipocam os vídeos de: "dieta restritiva não é para mim, gente", os vídeos de pratos mega calóricos em restaurantes maravilhosos, momentos em família e em viagens se jogando no doce favorito e até série onde uma delas diz: "viver é isso, gente" e empunha a taça de martini. Quantos jovens não acompanharam essa loucura patrocinada!? Quantos não devem ter sugado seus pais e mães para ser iguais aos ídolos?

Eu já fui assim. Lia um único blog de quem verdadeiramente conseguiu dar conta da obesidade e achava que isso poderia ser instantâneo para todo mundo. Até que descobri que somos pessoas diferentes, com realidades diferentes, com objetivos diferentes, com contas bancárias diferentes, com criação diferente e com necessidades diferentes... E o que mais me aborrece em tudo isso é ver profissionais surreais prescrevendo modismo e depois deixando todo fardo do fracasso para nós, porém, a culpa não é sua. Falo por experiência própria que são poucos os preparados para lidar com quem somos de verdade. Que se preocupam com o ser humano como um todo e se põe a tratar com respeito nossas questões e limitações. É como um amigo que pesa mais de 110 quilos falou: Será que dos meus três pães francês da manhã ela não poderia a princípio ter reduzido para um? Agora com o preço de tudo isso que tenho que comprar para fazer o cardápio, vou ter que cortar alguma coisa. Ah, vai ser a academia... Que lástima!


23 maio 2016

Depois de...

postado por Cottage Regressiva

Depois de longos anos pensando exaustivamente em emagrecimento vejo que cheguei a reta final. Sim, obesidade é um problema, precisa de solução consciente, mas não dá pra falar disso a vida inteira e escrever sobre isso a vida inteira, ter um grupo de amigos destinados a apenas este assunto, fazer disso uma mini "carreira"... Tudo tem limite e o meu transbordou. Gente chata por centímetro quadrado, incapazes de trocar sentimentos, mas presos aos rótulos dos enlatados, às suas marmitas com batata doce, aos julgamentos desenfreados em cima de quem em evento familiar come um doce... As pessoas para curar a compulsão por comida começam a ter outras compulsões e a por criticar é uma delas. 

Eu quero equilibrio e desejo o mesmo a todos. Estamos passando pela fase da informação desenfreada e sem qualidade, infelizmente. O mundo é dos que consomem qualquer assunto lançado, sem a capacidade de questionar. Quero comer o doce no natal. Quero ficar feliz por ter malhado 3x na semana. Quero ter o descanso. Quero comer em viagens. Continuar vibrando com gramas eliminados. Quero ser naturalmente desencanada. Foda-se o que o mundo anda fazendo para se alienar... Cada um é cada um. Cada um sabe o que representa felicidade para si e não deve satisfação a mais ninguém além de si mesmo. Sejam felizes e parem de buscar fora o que só é possível obter dentro. Diga não para as modinhas, diga sim para a forma física que anda junto com sua saúde mental. Que a gente adentre a era da saúde que traz junto o bom senso, aquela que faz você dormir tranquilamente à noite, pois sabe que cuidou de si e deu o seu melhor. É, o seu melhor... Aquilo que você faz dentro de suas possibilidades sem precisar ser igual a ninguém. Sem precisar consumir modismo para sentir-se com saúde. Seja fiel a você e ao seu estilo de vida. Debata mesmo com profissionais e seus papos surreais. Corra atrás até achar um que esteja realmente disposto a ajudar você, não um personagem que ele gostaria que você fosse. Isso sim dá para ser levado saudavelmente para a vida inteira... 

Saúde.


04 maio 2016

Miscelânea Fofa!

postado por Cottage Regressiva


Funko, funko, funko... Se você quer muito economizar o seu dinheirinho não compre o primeiro. Vira um desses vícios doidos e fofos e caros. No mercado livre tem os melhores preços, são originais e, quer saber, NUNCA tive problema com qualquer compra feita lá. E se tiver, eles mesmo dão suporte e cancelam o pagamento. Estou falando isso, pois muitas pessoas deixam de comprar por medo e perdem magníficos preços. Esses aí eu quero logo! Me segurem!

SPOILER DE GILMORE GIRL
.
.
.
.


Sabe, em tempos que Gilmore está voltando aos assuntos do momento por conta dos quatro novos episódios que vão estourar este ano no Netflix (#AnsiosaEmÚltimoGrau), me fez rever alguns episódios e preciso confessar que fico muito triste toda vez que lembro do "fim" que deram para a Lane. Sei lá, eu me via muito nela... A garota adolescente sempre "presa", sem poder fazer nada, sempre tendo que contar aquela mentirinha para fazer coisas condizentes com a idade, sempre vivendo através das histórias contada pela amiga, sempre tendo que esconder seus gostos e aptidões e sonhos... Não acho que o final que deram a ela tenha sido justo, sabe? Na minha opinião, eu enxergo que saiu de uma prisão e entrou em outra. Imagina engravidar de gêmeos ainda bem jovem de um cara totalmente estranho? Nada contra gravidez, filhos ou gêmeos, mas levando em conta sua históri e seus sonhos, ela ficou ali pregada para todo sempre... Eu queria ver a Lane vivendo toda sua liberdade, experimentando tudo o que sempre sonhou, não grávida e servindo café no Luke. Aliás, eu já disse que Gilmore da terceira temporada em diante ficou bastante irreconhecível? Ficou bem chata e arrastada com personagens novos forçados e sem a menor graça... Aquela Liz e seu marido patético... Vou parar por aqui...





Sei lá, aqueles itens fofos do Pinterest que você fica imaginando na mesa. Sou dessas. Adoro uma fofurice e não me envergonho disso :-)


Dois livros que entraram na minha lista. Sim, um bobinho e um desses para reflexão. O "Por que vivemos" é um best seller, principalmente, no Japão, então, deve mesmo ser um livro com atrativos incríveis (#QuerendoAcreditar). Já "Fangirl" (eu já disse bobinho?), mas vai que me apaixono por ele  e, assim como em Bridget Jones, meu cérebro game e fique sonhando até com um funko especial para cada personagem (sim, torço por funko de Bridget e Lorelai, afinal,  não tem dos personagens chatos de Friends - que ainda quero dar uma décima chance, vai que daqui um tempo estarei comprando o negocinho amarelo do olho mágico... 


03 maio 2016

E os benefícios do diário?

postado por Cottage Regressiva



Muitos profissionais indicam esta forma de expressão quando estamos em terapia. Ter um diário é uma prática de séculos, porém, eu estava pensando aqui com meus botões: quando que fazer um diário ganhou espaço na forma online ou seja, pôde se tornar algo compartilhável? Já encarei o blog desta forma. Era época da inocência. Época de escrever pensamentos, passos, experiências pessoais, colocando tanta informação para fora com a intenção única e exclusiva da troca com outros indivíduos que passavam pelo mesmo. Começávamos o blog/diário quebrados emocionalmente, com template grátis, acreditando fielmente que escreveríamos ali e esvaziaríamos nossas almas - talvez, este tenha sido o maior erro em décadas. Jamais imaginaríamos o momento das críticas arrebatadoras (que beiram a maldade) ou em comentários do tipo "me inspiro em você" (nos condicionando a virarmos os maiores algozes de nós mesmos). Começamos a não nos permitir errar. Começamos a nos cobrar mais do que estávamos prontos para realizar. Tudo virou uma questão de prazo, meta, material de qualidade para mostrar (sendo esse material nós mesmos). Para uns funcionou por um tempinho curto, pois ainda não havíamos perdido a naturalidade. Hoje, tudo beira concorrência, comparação, tudo beira mais sobre o fato do que o outro vai pensar, do que sobre o que queremos e necessitamos realmente esmiuçar. A troca vai se tornando a opção menos plausível.

Por outro lado, li por aí que "coitado daquele que escreve um blog achando que o objetivo é receber comentário". Eu no ato discordei, mas sabe que hoje vejo que tem um certo sentido... Estaria esse indivíduo transcendendo ao que a maioria está fadada a ficar presa: opinião alheia? Pior, opinião alheia sem sentido? Pior ainda, opinião alheia sem sentido baseado nos poucos segundos compilados sobre nós, que nem de perto representam o todo? Ao mesmo tempo, qual motivo de manter o diário aberto se não para a troca? Para tentar fazer uns trocados? Talvez esta seja realmente a nova tendência...

Blog não é mais diário. Blog, na verdade, jamais deveria ter tomado esse posto. Foi apenas uma distorção em sua essência por conta da tecnologia. Dizem que manter um diário (escrito, secreto) melhora a nossa mente, desperta uma criatividade antes bloqueada, nos faz nos conhecer melhor através da libertação de nossos sentimentos mais primitivos, mas hoje nos propomos a fazer um "diário" que o mundo acesse e, ainda por cima, já temos que entrar nessa preparados para a opinião de terceiros. Isso o descaracteriza. Um diário não comporta julgamentos. É o guardião de nossas fragilidades. É um diálogo profundo - e não digo monólogo, pois é um conflito de opiniões entre os nossos tantos lados, de tantas maneiras, que não somos só um, nos descobrimos vários. É o espaço  da honestidade nua e crua com nós mesmos. Depois pergutamos: por qual motivo não consigo resolver tal situação se conheço tanto sobre ela? Pelo simples fato de estarmos mais servindo fora do que servindo dentro. Encorajo-o a ter um caderno fofo dentro do criado mudo lhe esperando todas as noites. A maior prova de sua mudança e evolução é aquela que você dá a si mesmo todos os dias. É aquele modo diferenciado de tratar tudo ao redor por outra perspectiva e com outra atitude. O que o outro vai tirar disso ou passar a lhe enxergar depois disso, ora, é problema dele... 


02 maio 2016

Detox na alma

postado por Cottage Regressiva



Fazendo um detox na alma, na mente, no corpo (ou o corpo vai junto com o detox da alma e mente)? Fazendo detox das tralhas materiais e de tudo o mais que anda atravancando o caminho. Estou amando cada instante de redescoberta e redirecionamento. Até pensando em fazer um mega detox de compras, no sentido de gastar realmente apenas com aquilo que é essencial para o momento. Tenho percebido que tudo que é fofinho arrumo uma desculpa para ter imediatamente, porém, apesar de usar, de ficar encantada e animada, sei bem que passaram na frente de algumas prioridades. Tudo é hábito (a última pessoa que me disse isso foi a das mais desistentes do planeta, mas eu continuo acreditando).  Gratidão, Universo! 

Blogs que estou amando: Reino de papel e Hello Lolla
Canal que estou amando: Sharon Eve Smith
Produto que estou amando: Air Fryer 
Produtos que estou namorando: Canecas de letras da Imaginarium, vasinhos pras suculentas, um edredom fofo (igual ao que já tenho :-| ), uns eletroportáteis que quero trocar tudo para inox (mas que como só vou usar no outro apartamento ainda em obras, dá muito bem para esperar).
Redes sociais: snap e insta (face = argh)!
Livro e seriado: NECESSITANDO DE UM PARA CHAMAR DE MEU - vou tentar Friends pela quinta vez, mas não faz muito meu estilo! :____(