06 junho 2016

Eu e a chikungunya

postado por Cottage Regressiva




Ela chegou de repente depois de um dia super produtivo em que resolvi tudo animadamente pela manhã. Ao cair da tarde comecei a sentir dores pelo corpo como que adentrando em estado febril. Percebem alguns pontos avermelhados em minhas costas. À noite o termômetro já demonstra temperatura elevada, as dores pelas articulações aumentam e em poucos minutos eu não conseguia mais fazer qualquer movimento na cama, deitada, por menor que fosse. Qualquer outra tarefa só amparada por terceiros. Os braços não se erguiam. Os punhos assustadoramente doloridos sem se dobrar. Os dedos inchados com grande dificuldade de fechar. Tornozelo indo pelo mesmo caminho. Virilha - lesionada e tratada há anos - foi atacada e passou a ser o ponto mais doloroso. Remédio. Dor. Dúvida. Desespero. Família. Chikungunya detectada no dia seguinte quando, contra minha vontade, me ergueram a força da cama, colocaram toda minha roupa, peça por peça e me levaram ao hospital. 

A febre dura pouco - um ou dois dias. As manchas de quatro a cinco. Você faz uso de analgésicos/antitérmicos. As dores melhoram pouca coisa, mas sem a febre você consegue ficar menos pior. Você acorda um dia e acha que está 100%, acha que as dores vão embora aos poucos, mas elas não vão. Mudam de intensidade, mudam de local, mas continuam debilitando firme seu corpo. Você se pega cheio de limitações. Não consegue se virar na cama, sentar em um cadeira, levantar de uma cadeira, abaixar, descer escada, pegar um copo, levantar uma panela, entrar no carro, descascar alimentos com firmeza, caminhar naturalmente... Você ouve que precisa de um reumatologista, de tratamento sério para as dores para que nada dure muitos meses, anos ou se torne crônico. Você sente o quanto a vida é frágil e a saúde preciosa. Você passa dias contemplando e fazendo um balanço do que é verdadeiramente importante.


Falam de zika, mas estão esquecendo das dores absurdas - em todos os sentidos - da febre Chikungunya. Desejo um país melhor com uma população que ao invés de esperar por milagres ou gênios encantados, consiga entender que a gente só muda colocando a mão na massa exatamente no local onde estamos. Que somos totalmente responsáveis por nós mesmos e por um futuro melhor. Não podemos continuar abatidos e, muita da vezes, de braços cruzados, vendo o mundo cair ao nosso lado por conta daquilo que não fazemos nada para combater...  Toda essa força a um mosquito ou estamos mesmo nos tornando o povo anestesiado onde a morte é só mais uma morte? Acorda, Brasil! 

*** Começou dia 13/05 e hoje já estou bem melhor fazendo todo o tratamento necessário para a cura total das dores. Já voltando aos poucos a rotina normal. 


5 comentários:

  1. Coisinha complicada essa! Demora para melhorar, né!
    Eu precisava engravidar neste ano, mas ainda estou sem coragem por causa do Zika Vírus. Os exames são muito caros ainda.
    Desejo a você uma boa recuperação!

    ResponderExcluir
  2. Oi rachel, melhoras pra vc mulher..
    Nossa deve ser bem dificil lidar de uma hora para outra com essas dores. Muita força.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Nossa Rachel chikungunya ninguém merece, desejo que se melhore o mais rápido possível, bjs

    ResponderExcluir
  4. Caramba! Ouvi o relato do André Marques e fiquei simplesmente horrorizada! A gente começa a ouvir demais e tudo se torna banal, até saber de alguém que passou por tudo isso. AINDA BEM que insistiram em te levar de uma vez pro hospital! Desejo melhoras, força e muita saúde, em todos os sentidos!

    PS: bom te ver animada pelo Snap hehe...



    :* Rachel!

    ResponderExcluir